Mulher Tempo

Precisamos de um dia com mais que 24 horas.

Dicas infalíveis para desmascarar a mentira

Afinal, como faço para saber quando alguém está contando uma mentira?

A mentira é nossa companheira desde sempre. Ela existe, é real e necessária, maasss temos que tomar muito cuidado, pois seu excesso pode virar patológico.

As crianças são mentirosas de mão cheia. Contar mentira é uma coisa comum que elas fazem para evitar o castigo, a vergonha, mas acima de tudo ela está relacionada com o medo. Medo de apanhar, medo de ser descoberto, medo do fracasso e por aí vai.

Meu segundo filho é o mais criativo de todos. Ele sempre adorou contar histórias, pena que nem sempre elas aconteciam.

Por volta dos sete anos ele me pediu para passar a tarde na casa de um amigo – coisa supernatural. Deixei e quando fui buscá-lo, descobri que era a avó do menino que tinha ficado com eles. Ela disse que meu filho era uma graça, super educado, que ele deveria voltar sempre. Ou seja, o mesmo blá blá blá que ouço – graças a Deus – quando um filho vai na casa de um amigo. Só que aquela senhorinha não parava de elogiar e comecei a achar estranho. Ela acabou me dando uma deixa quando disse que ele tinha uma cultura e tanto para uma criança de sua idade.

Nessa hora, sentei, respirei fundo e perguntei por que ela achava isso. Então ela me disse que ele contou como foi a viagem dele para a China.

O QUÊ????

Eu preciso entender por que as avós acreditam em

tudo o que dizem para elas.

Respirei mais fundo e com muito cuidado para ela não perder toda a admiração pelo meu filho, expliquei que ele nunca tinha viajado para fora e que isso era uma pequenina invenção dele. Provavelmente para ela se orgulhar …

Então ela piorou a história e disse, já meio magoadinha:

– “Mas ele falou que foi para o aeroporto de São Paulo, viajou a noite toda em um avião e-nor-me até chegar na Alemanha. Depois de umas horas, pegou um outro avião bem grandão e voou até a China”.

Eu falei que a descrição estava certa, só que o protagonista estava errado, pois era o pai dele que tinha viajado.

Dicas para pegar mentiras

Estudiosos afirmam que contamos mais mentiras para quem não conhecemos. Entretanto, também mentimos para conhecidos (pai, mãe, avó, tia, professora…). Para esses casos, seguem dicas infalíveis que levantei em diversos sites, especialmente do post do Eduardo Santorini www.atitude.com, pois são baseadas nas técnicas do FBI!

Dica #1- O quê?

Você faz uma pergunta, tem certeza que a pessoa ouviu, mas ela pergunta: O quê? Esse é o primeiro sinal de que ela está tentando organizar uma resposta. É o que se chama de tempo para o cérebro.

Dica #2 – Desviar o olhar

A pessoa desvia o olhar pela vergonha de ser pega na mentira. Ela não é tão cara de pau assim. Por outro lado, há pessoas que fazem justamente o contrário quando estão mentindo: fixam muito forte o olhar – mais do que o normal, arregalam os olhos. Esse é o grupo dos caras de pau, que minha filhinha querida está incluída.

Dica #3 – Gestos inconscientes

A mentira que contamos é consciente. O nosso cérebro sabe disso! Por isso ele manda sinais pelo nosso corpo e eles são inconscientes. São eles: piscar várias vezes, coçar o nariz, orelhas, olhos e mexer muito nos cabelos.

Dica #4 – Várias perguntas

Já reparou nos filmes policiais que a polícia faz a mesma pergunta de várias formas? A inconsistência ou dificuldade em responder aparece muito fácil. Ex.: A professora de geografia deu tarefa? Que aulas você teve hoje? A tia Renata (professora de geografia) estava bem-humorada? É muito fácil pegar uma mentira desse jeito! Rsrsrsrsrs

Dica #5 – Alteração de humor

É incrivelmente estressante manter uma mentira. É um trabalho e tanto criar uma versão e ao mesmo tempo manter disfarçado o medo de ser pego. Isso faz com que a pessoa que está mentindo fique bem irritada.

 

Agora se você acha que criança pequena não mente, veja os vídeos abaixo e se mate de rir com a Maria Júlia e a Helena:

https://www.youtube.com/watch?v=_AaKJV-HATo

https://www.youtube.com/watch?v=iQBh2bZfCIw

Denise Capece para Mulher Tempo

Incrível autoestima do homem que dá cantada

O que leva um homem a pensar que pode dar uma cantada?

Cantada é algo com a qual toda mulher tem que saber conviver. Faz parte da nossa cultura ser cantada. E a forma mais infalível que eu conheço para lidar com isso é ignorando. Naturalmente é o que recomendo para todas as mulheres. Indiferença. Isso machuca mais que porrada.

Certo dia eu estava abastecendo meu carro e minha necessidade por café aqui perto. Quando tenho que fazer isso, aproveito e organizo a minha agenda. Porém, muitas vezes, enquanto estou pensando recebo insights. Se você tiver curiosidade, tente ficar em um comércio qualquer observando a reação das pessoas. É muito legal.

Só que nesse dia aconteceu algo diferente. Eu estava sendo observada. Meu, isso me incomodou muito. Cheguei até a refletir se eu causo isso com as pessoas enquanto as observo. Não causo. Primeiro porque eu só olho e segundo porque sou discreta. Ele não. Ele fazia questão que eu soubesse que estava me olhando. Olhando? Não, ele estava me despindo!

Cantada é igual a “atacar”!

Tudo bem que não tenho mais meus 20 anos, nem as curvas da época, mas ainda causo algum tipo de reação. E, pelo visto, o TIGRÃO estava prestes a dar um bote. Ele olhou para mim, mostrou uns seis dentes, depois a arcada superior completa e começou a fazer uns gestos com o corpo. Algo como uma coreografia de ataque. Qualquer sinal que eu desse seria verde!

Agora um parênteses para ser politicamente incorreta. Ele era baixo, barrigudinho, sem charme e careca. Ou seja, nada nele poderia me atrair. Tenho que aplaudir um cara desses. Ele tem muita autoestima. Quantos porcento ele achou que tivesse de chance de eu aceitar aquela insinuação?

Contrariando a minha recomendação lá em cima, eu fiz a minha melhor cara de você está louco?, paguei minha conta e fui embora.

Cantada sem noção

Reli meu texto que fala sobre assédio http://www.mulhertempo.com.br/2017/04/19/como-impedir-o-crime-sexual/ e concluí que quando o cara está a fim, ele parte pra cima. Isso não tem nada a ver com o que você está vestindo. Naquele momento, foi ele que me vestiu! Ele nem se deu conta do ridículo que ele estava fazendo. O seu único objetivo naquela hora era me abater. Eu gostaria de ter o foco dos homens!

Agora uma pergunta para reflexão, que é o meu tema do próximo post. Você já conhece ou ouvir falar do Tinder?O fato de se inscrever significa que você quer…?

Denise Capece para Mulher Tempo

Por que tanta obsessão por dieta?

A história da garçonete que não tinha obsessão por dieta

Eu poderia fazer um livro com as histórias das minhas sobrinhas. Elas são totalmente diferentes e completamente divertidas. Hoje vou falar da mais velha, a Rebeca. Essa menina não cansa de me dar insights.

Rebeca é uma jovem muito elegante. Alta e magra. Cabelos longos, estilo top model e atriz. Apesar de ter se formado em Propaganda, ela é contra o estímulo ao consumo, pois acredita que não há necessidade de se criar desejos, mas apenas atender às necessidades. Ela é despojada de luxo, cultiva a meditação e o bem-estar. Há pouco fez uma viagem para a Eurásia e lá conheceu mais culturas, se encontrou na Yoga e outras linhas que pregam o cultivo ao que é essencial. Rebeca é uma cidadã do mundo, não se apega.

Voltando ao Brasil, precisou trabalhar. Como durante sua viagem, foi lanterninha e garçonete, aproveitou sua experiência e aceitou um trabalho no restaurante.

Ela acreditou que quatro meses na Índia seriam suficientes para encarar qualquer desafio com muita paciência… Depois de alguns meses teve que cair fora.

“Tia as pessoas são muito estranhas”!  Eu quis saber por quê. Então ela fez uma classificação dos clientes.

Estatísticas

Por padrão, a garçonete deve limpar a mesa do cliente que saiu e rapidamente levar o cardápio para o cliente que chegou. Ela precisa ficar longe o suficiente para o cliente ter privacidade, mas perto o suficiente para ele se sentir acolhido. Em seguida, ela tem que aguardar o cliente chama-la para fazer seu pedido. E aí começam os problemas!

Segundo minha consultora, quando os clientes a chamam, eles se dividem assim:

– 20% estavam realmente prontos para pedir, mas porque já eram frequentadores;

– 80% pedem sugestões aos atendentes, pois não sabem o que pedir. Desses, 15% pedem diversas mudanças no cardápio principalmente colocar ingredientes mais caros em pratos promocionais (o famoso PF).

 Indecisão x dieta

Rebeca me contou que não gostava muito de atender às duplas femininas. Além de não fugirem da estatística, jamais sabiam o que pedir, mas mesmo assim, chamavam a garçonete. Como na história abaixo:

– Bom dia, eu sou a Rebeca e vou anotar o seu pedido!

Rebeca, a estátua, ficou observando o diálogo das peruas, digo, das mulheres:

As duas ficaram se olhando com cara de dúvida.

– “Amiga, vamos comer uma saladinha”?

– “Isso que tal essa de quinoa com franguinho desfiado”?

– “Ótima ideia, mas vamos acrescentar uma salada que tenha folhas por causa das fibras, né? Que tal uma Caesar?

– “Boa e a gente pode dividir”!

A invisível garçonete estava com o caderninho pronto para anotar, mas o pedido…. Não vinha. Ela ainda podia perceber pelo canto dos olhos, umas quatro mesas querendo pedir.

– “Estamos de dieta e seremos fortes. Vamos comer a salada de folhas, um suco e que tal uma porçãozinha no lugar da Caeser”?

Ingrediente fora da dieta

Percebendo a entrada de mais um ingrediente potencialmente polêmico, Rebeca falou para as clientes que as deixaria decidindo e depois voltaria. As duas gritaram para ela ficar, pois já tinham decidido.

– “Faz assim, será que você poderia trazer dois chopes antes da refeição? É que nós somos guerreiras”!

Rebeca respondeu que sim e pensando porque raios poderia não ser possível levar o chope antes.

– “Então faz assim, traz uma salada e a porção. Pode ser de batata frita”.

– “Boa ideia, batata digere fácil. Mas, então tira a salada, até porque aqui não tem tanta opção assim. E já que vamos dividir, não vai ficar tão pesado”!

– “Fazia tanto tempo, né, merecemos”.

Minha sobrinha me contou que as pessoas chegam querendo ser saudáveis, mas diante da menor tentação, desistem. Ela me disse que quando entrou no restaurante, sempre sugeria pratos mais saudáveis, só que depois de um tempo percebeu que as pessoas não estão nem aí para isso. Elas chegam falando do índice de acidez do azeite, verificam as 17 opções de salada e não querem nada. Aí eu perguntei o que ela oferecia?

– “Uma costelinha de porco com bastante molho barbecue. Tia, tinha que ver o brilho no olhinho delas”!

Há solução para a dieta?

Sim e ela não precisa ser radical. Sou contra essa obsessão por dieta. Eu me incomodo de ver pessoas contando calorias. Comer é um prazer! Pelo menos deveria ser.  Eu não estou de dieta. Eu como de forma saudável.Talvez a solução para não sofrer seja a forma de pensar e falar: fora com a palavra dieta!

Mas voltando ao restaurante, acho que a gente não consegue imaginar como funciona a vida desse profissional. Eu, particularmente sempre gostei de mexer nos ingredientes dos pratos, mas vou reconsiderar. Entendi que, quando vou a um restaurante,  a forma como vou fazer o pedido também vai impactar no que eu vou realmente comer.
Denise Capece para Mulher Tempo

Foto: Dayane Luchese

 

 

O que eu faço para o jantar? Dá uma ideia…

O maior problema da cozinha: o que eu faço para o jantar (ou almoço)? Você até tem disposição e conhecimento para fazer qualquer coisa, mas o quê?

Numa vã tentativa de facilitar as coisas, você decide perguntar para a família. O que você quer comer hoje? As respostas são ótimas: “como qualquer coisa”, “você que sabe”, “ah, sei lá”. E isso te ajuda muito, né?

Há dois anos eu dispensei minha mensalista e ela cozinhava. De início foi um choque e confesso que demorei a assimilar. De repente, tudo está uma bagunça. Você até tenta melhorar, mas contamos com alguns inimigos para ter a vida mais organizada, eu os chamo de “tomadores de tempo”:

– Internet (Whats, Face, etc)

– Telefone e outras interrupções

– Procrastinação

Não posso me aprofundar nesse assunto hoje, porque o meu foco é a falta de respostas para a pergunta: o que eu faço para o jantar?

Em primeiro lugar, você tem que ter um planejamento (ele de novo!).

Consegui chegar em uma fórmula que está dando muito certo aqui em casa.

Segunda-feira

Primeiro dia após o “pé na jaca”, por isso tenho um cuidado maior com a saúde. A ordem é um filé grelhado (frango, carne ou peixe – sempre revezando e alternando temperos: gengibre, alecrim, pimenta, orégano), um prato com legumes e salada. Gosto muito das dicas de três sites:

www.tastemade.com.brwww.cybercook.com.brwww.tudogostoso.com.br

Na semana passada tivemos batata gratinada com molho branco, frango grelhado e salada de folhas com muçarela de búfala. Hoje vou fazer espetinho de abobrinha, batata, cenoura e tomate, filé mignon grelhado e salada de folhas com tomatinho cereja e queijo parmesão. Percebeu? Uma proteína, carboidratos e laticínios. Tudo muito leve.

Terça-feira

Lanche mais incrementado. Eu desfio um peito de frango ou abro latas de atum e faço minhas misturas com cenoura ralada, maionese, tomate e queijo. Uso bastante o Rap10, tapioca e pãozinho integral.

 

Quarta-feira

Faço um prato único. Algo que sustente, mas que seja prático para a gente.

Semana passada eu fiz abobrinha recheada com carne moída. Essa semana vou fazer frango xadrez ou o frango cítrico (https://www.tastemade.com.br/videos/frango-assado-com-molho-citrico). Tem o fabuloso escondidinho, o fricassê de frango, torta rápida (http://www.mulhertempo.com.br/2017/02/14), peixe assado (http://www.mulhertempo.com.br/2016/11/23/270) entre outros. A ideia é usar o forno ou somente uma panela. E, claro, a salada.

Quinta-feira

De volta para o lanche, afinal precisamos de um dia de folga! Como fiz um prato muito legal um dia antes, eu me dou o direito de comprar tudo pronto. Pãozinho e frios, mas sempre com salada. Deixo ralada uma cenoura, folhas de alface, rodelinhas de pepino, tomates fatiados e ovos cozidos para que seja o mais saudável possível.

Sexta-feira

Não faço nada. Lazy day!

Explico: Toda sexta vem a minha santa faxineira. Como quero manter minha casa limpa por mais tempo, eu proíbo qualquer iniciativa de mexer com panelas.

Tudo planejado, faça a lista e rumo às compras. Atenção: o planejamento do que fazer na semana ocorre no final de semana e, de preferência, as compras devem ocorrer no domingo. No máximo, segunda antes do almoço.

Com tudo organizado, você não vai ter que ficar pensando no que fazer. Agora se você tiver uma ideia melhor, não deixe de postar e podemos rever a minha fórmula! Ah, também gostaria de receber mais ideias de receitas de legumes. Se tiver uma campeã, posta aqui para mim. Vamos trocar ideias!

Denise Capece para Mulher Tempo

 

Inglês para inclusão social

Ela falava a língua do gato?

Ganhei de presente de casamento o ingresso para o show do David Garret em São Paulo. Ele é um virtuose do violino, alemão e gato. http://www.david-garrett.com/

É verdade que muitas mulheres estavam lá pelo alemão, eu tinha dois motivos: o violino e o dono dele. Tenho que confessar! Também preciso confessar que o David jogou muito charme para a plateia. Ele estava gostando da reação que ele causava.

Em um momento ele decidiu que levaria para o palco uma pessoa da plateia. Eu estava longe, mas consegui me imaginar no palco com ele. Que sonho! Voltei a realidade quando vi que uma mulher que estava beeeem mais perto foi escolhida. Ela era linda. Cabelos loiros compridos e soltíssimos. Um vestido esvoaçante. Tipo assim, eu me conformei. Ela representou bem a plateia brasileira. David a fez sentar em um banco ao lado dele e disse:

– Whats your name?

– Cristina

– Where are you from?

– What?

– Whe-re a-re you from? (acreditando que ela estava nervosa, falou mais devagar)

– Rio de Janeiro

– Oh, so you came from Rio just to see me?

– What?

– You ca-me from Rio just to see me? (acho que ele percebeu que ela tinha alguma dificuldade e diminuiu a quantidade de palavras)

– What?

A situação foi constrangedora e ele foi muito elegante. Disse um lindo whatever, abraçou a moça e pegou o violino para tocar para ela.

Essa foi a trágica história de uma linda mulher que teve a sorte de ser escolhida para subir no palco do marvilhoso David Garrret, mas não sabia falar em inglês  e pagou o maior mico.

Inglês para inlcusão social

Meu pai teve dificuldade para aprender inglês porque na infância dele não era obrigatório, mas como sempre foi muito estudioso e trabalhador, rapidamente decidiu mudar essa história. Por isso, foi taxativo em nossa casa: minhas filhas não terão a minha dificuldade. Nós três falamos, obrigada, paizinho!

Isso deveria ser regra: falar inglês. Não é um diferencial, é essencial. Só que há algum tempo percebo que muita gente boa, não fala outra língua. O que aconteceu?

Eu não consigo entender como uma pessoa pode se atualizar, se especializar e sobreviver socialmente sem falar em inglês! Claro que há muitas outras línguas mais bonitas, porém é a língua universal. Mais de um bilhão de falantes e decidido pelos principais países que é a língua oficial do mercado. Será que é porque os EUA detêm o poder econômico?

O final dos anos 90 foi marcado pela força da Internet, a globalização, o Tratado da União Europeia e muitos outros movimentos econômicos que fizeram com que as barreiras físicas deixassem de existir. Você vai querer ficar alheio a isso tudo?

E onde entra o inglês para inclusão social? Fácil: em toda conversa que você quer ter com um estrangeiro visitando nosso país ou quando for viajar? Ou você só vai cumprimentar e pedir o almoço?

Vem pra dentro do mundo!

Você sempre pode mudar uma história. Estude inglês, mas lembre-se que não existe milagre. Não dá para falar em pouco tempo. Aprender outra língua é um processo. Precisa de dedicação! Abaixo, listo algumas dicas para facilitar o aprendizado:

– Ouça músicas, baixe a letra, entenda o que é cantado;

– Veja séries e filmes em inglês com legenda em português, conforme for avançando, deixe a legenda em inglês;

– Leia livros em inglês e assinale as palavras que não conhece;

– Eleja um dia para se comunicar em inglês com suas amigas: English Friday! English Coffee!

Depois disso tudo relaxe. Pode fazer sua viagem tranquilamente porque você vai conseguir se comunicar com qualquer pessoa! Quem sabe até com um alemão gato…

 

Denise Capece To Mulher Tempo

 Foto David Garrett: Monique Wuestenhagen / BVMI

 

Dicas para economizar nas viagens

Viagens nacionais e internacionais podem ser muito mais econômicas. Siga as dicas!

Viajar é uma delícia, mas muitas vezes o orçamento não consegue chegar até o seu desejo de destino. Conheço pessoas que deixam de viajar porque acham que o dinheiro não vai dar… Mas será que elas se planejaram? No texto de hoje vou passar dicas para economizar nas viagens. Eu as uso para planejar as minhas. Sim, sem planejamento nada pode ser feito, mas fique tranquilo porque eu dou o passo a passo.

Como não sou blog de viagens, não vou perguntar o motivo da sua viagem e nem dizer o óbvio: evite altas temporadas. Eu adoraria evitá-las, mas as férias do trabalho e escola não permitem. Sempre viajo em alta temporada. Fazer o quê? Economizar no resto!

Dica nº 1

A passagem aérea é muito cara. Comece a pensar em pagar com milhas, para isso você deve se afiliar a um programa de milhagens. Tenho o Multiplus e o Sempre Presente (Itaú). Passe a pagar suas despesas no dia a dia com cartão de crédito. . .  Se não vai ter juros, qual é o problema? E ainda melhora muito o seu fluxo de caixa. Mas, jamais use o cartão de crédito em viagens internacionais. Só em caso de emergência, pois a taxa é bem salgada.

Dica nº 2

Planejar o destino, a quantidade ideal de dias e o seu orçamento. Feito isso,  consulte o Tripadvisor e leia a opinião dos viajantes que visitaram as atrações. Às vezes, elas são famosas, mas os visitantes não acham que vale a pena. Muitas são gratuitas, outras não e isso encarece qualquer viagem. Claro que você vai à Torre Eiffel estando em Paris, mas precisa pagar para navegar no Sena? Você pode andar pela margem e fazer vários picnics!

Depois de analisar tudo que quer conhecer, comece a tirar as “gorduras” da sua viagem, especialmente se tiver que se deslocar muito. Isso economiza bastante.

Dica nº 3

A hospedagem é uma das contas mais caras de uma viagem. Nunca fico em hotel caro. Não concordo em pagar para dormir. Porém, o mínimo é um banho quente, camas confortáveis e um lugar bonito.

Depois que descobri o Airbnb, só fico em hotel se não tiver a opção de alugar uma casa. Talvez você não conheça esse serviço. Primeiro se cadastre: https://www.airbnb.com.br/ , depois coloque o local que deseja conhecer, check in e check out e quantidade de hóspedes. Acrescente também se você quer um quarto ou a casa toda. Depois analise as opções, sempre verificando no mapa, a localização. Se gostar das fotos do imóvel, vá até os comentários das pessoas que já se hospedaram lá. Eles são o ponto forte do serviço. Se tiver alguma crítica, será falada. No entanto, se você gostar de alguma acomodação em que o “anfitrião” não tiver sido avaliado ainda, tome cuidado. Pode ser novo no site, mas é bom analisar melhor todas as informações. Por fim, em muitos casos há a possibilidade de pode pagar uma pequena taxa diária para ter uma faxineira. Aí você continua de férias!

Já fiquei em lugares incríveis, que os hotéis me cobravam o triplo. Consulte sempre o Airbnb. Eles têm propriedades em quase todo o mundo.

Se tudo der errado, tente o Booking.com!

Dica nº 5

O transporte tende a consumir uma boa parte do nosso orçamento. Quase sempre consigo viajar com milhas (viu como é bom usar o cartão de crédito?), pelo menos a parte principal. Também estou inscrita em sites de companhias aéreas e turismo. Eles mandam alertas de promoções e a inscrição é gratuita. Fora isso, estando em uma viagem internacional, consulte as empresas low cost como Ryanair e EasyJet e, por favor, não consuma nada a bordo!

Outra coisa, para viagens nacionais compre com 30 dias de antecedência, mais que isso você pode perder uma boa promoção. Para as internacionais, no mínimo o dobro. Ou seja, você vai ter que fechar sua viagem com dois meses de antecedência.

Dica nº 6

Pelo menos uma refeição você deve fazer na sua hospedagem, fora o café da manhã. O que é muito legal, porque você vai ter a oportunidade de conhecer a cultura local. Supermercados falam muito sobre uma comunidade. Feiras ao ar livre, então, são o máximo! Você vai economizar bastante e ainda curtir um bom picnic com sua família. Na foto ao lado fizemos um pit stop na serra do Rio do Rastro e comemos num local que parecia um cemitério!!! Você não tem ideia de como a nossa imaginação viajou.

Ah, cadastre-se no http://www.melhoresdestinos.com.br. Eles têm ótimos textos!

Denise Capece para Mulher Tempo

Jantar MEGA prático – Truite en Papillote

Truite en Papillote significa Truta assada em Papel Alumínio. Falo muito francês!

Certa vez eu estava à toa em uma livraria. Queria ler algo diferente, mas fui sem ideia tomar meu sagrado cafezinho, lembrando das maravilhosas visitas feitas à Livraria da Travessa, no Rio.

Vi um livro que me chamou a atenção. Ele estava junto com os livros de gastronomia, mas era um romance. Achei a mistura muito simpática. A capa já tinha me conquistado, críticas ótimas e a orelha muito bem escrita. Comprei.

Tratava-se da história de uma jornalista americana, Elizabeth Bard e um homem de negócios francês e bonitão, Gwendal. Evidentemente eles têm uma relação excelente, mas a história se passa nas cozinhas, receitas e lugares de Nova Iorque e Paris. Um trecho muito legal fala sobre quando eles inverteram suas culturas. Ela adotou o jeito francês de ser, um tanto resignada, ao passo em que ele se “americanizou” e começou a querer mudar tudo.  Além disso, o livro dá ótimas ideias de cardápios franceses, assim como preparar de forma nativa, alguns pratos. As receitas vêm completas e dá para nós, mortais, fazermos.

Sem mais delongas, vamos à receita prática, digo, MEGA prática com glamour!

 

Truite en Papillote

– Quatro trutas inteiras, sem vísceras e lavadas

– Sal

– 360 g de tomates cereja cortados ao meio

–  Azeite extra virgem de boa qualidade

– Alho poró em fatias bem finas

– Cebolinha

– Pimenta moída na hora (opcional)

– Papel alumínio (dois pedaços por peixe)

Preparando essa délice:

  1. Pré-aqueça o forno em 200° por 10 minutos;
  2. Disponha o peixe em um pedaço de papel alumínio uns 10 cm maior que ele para poder dobrar;
  3. Coloque o sal, a pimenta, o alho poró, a cebolinha e um fio de azeite sobre o peixe;
  4. Em todo o entorno ou por cima dele coloque as metades dos tomates;
  5. Coloque outro papel alumínio por cima e feche bem todas as laterais, como se estivesse fazendo uma trouxinha;
  6. Arrume os quatro peixes já nas trouxinhas em um refratário;
  7. Por fim, leve ao forno. Ele estará bom em 25 a 30 minutos. Na dúvida, abra um papelote e veja se a carne está bem branquinha e soltinha. Se estiver, pode tirar;
  8. Você pode servir no próprio papillote ou retirar e arrumar em pratos. Fica super bonito se colocar umas fatias de limão siciliano para decorar.

 

Costumo servir esse prato com purê de mandioquinha e salada de folhas.

É ou não um jantar mega prático que nem suja o refratário?

Outra dica, estando no Rio não deixe de visitar uma das lojas da Livraria da Travessa. Você vai amar.

www.travessa.com.br

 

 

 

Denise Capece para Mulher Tempo

Como impedir o crime sexual?

Existe um responsável pelo crime sexual?

A maneira da mulher se vestir e se comportar incentiva o crime sexual? Será que esse é um pensamento machista, moralista e retrógrado?

Acompanho diariamente os fatos que ocorrem com mulheres. Gosto de falar com elas, saber sobre elas. É um assunto que me interessa, até porque sou parte afetada.

Vejo que as pessoas culpam o assediador. Falam que ele não tem o direito de dar cantada, de passar a mão ou seguir adiante sem o consentimento da mulher. Eu concordo integralmente.

Entretanto, durante anos vivi a experiência de trabalhar com homens eram clientes, fornecedores, pedestres. Todas as formas de contato comercial. O que depuro disso tudo é que o homem tem um pensamento doente. Porque se ele quiser aquela mulher, tudo que ela fizer ou disser será indício de que ela o quer. Em outras palavras:

– Se ela está usando uma roupa justa/curta/decotada é um sinal claro de que é para provocá-lo;

– Se ele a chamar para sair e ela disser que tem namorado, ele vai pensar que, se ela não tivesse, iria aceitar;

– Se ele mexer com ela e ela responder que não é para falar com ela, ele vai entender que só deve tocar nela!

Acho que com os três exemplos já deu para entender o meu ponto. Não depende do comportamento da mulher se ela será assediada ou não. Depende do que esse homem está querendo.

Assédio para o OLGA

Estive lendo o site Think Olga que fala sobre o empoderamento feminino. Achei muito interessante – http://thinkolga.com/ – e recomendo a leitura. Ter informação é importante. OLGA é um projeto feminista que criou a campanha Chega de Fiu Fiu em 2013. Um dos resultados apurados é que 90% das mulheres trocaram de roupa antes de sair de casa.

A campanha gerou (?) um documentário, mas quando fui ver o trailer no Youtube, acabei vendo outros vídeos em que mulheres usavam câmeras escondidas e simplesmente andavam pelas ruas. Vi três situações com gravações de 10 horas. Na primeira a mulher está usando roupas pretas e justas, ela é atraente normal e não fala nada, em nenhum momento. Na segunda, a mulher é bem mais bonita, está vestida com roupas justas, mais atraentes e é muito irônica. Responde a todas as cantadas de forma inesperada. Exemplo: o cara fala que quer se casar com ela. Ela diz: sério, eu também. Vamos?  https://www.youtube.com/watch?v=ISLcdUz-5Jk Na terceira, eles levam a experiência a uma mulher que está com cara entediada e veste moletom bem largo. Ninguém olha para ela. A moça cai e ninguém ajuda. É possível concluir que quando você chama atenção, você recebe?

Onde está o erro?

Talvez esteja faltando uma pergunta para você fazer ao se vestir para sair:  qual é o meu objetivo ao escolher essa roupa?

Tenha claro que você pode alimentar com fantasias a mente doente de um homem. Contudo, se um homem quiser te assediar, independente da roupa que você estiver usando, ele fará isso. E nessa hora, não vai adiantar nada você falar:

Não faça nada com o meu corpo. Eu não te autorizo!

Quando os pais pedem para as filhas não se exporem, mudarem suas roupas, não estão sendo machistas. O que nós queremos é a proteção de vocês.

 

Denise Capece (uma mãe preocupada) para Mulher Tempo

 

Vencer o medo. Conheça quatro formas

Medo todo mundo tem.

Certo dia me dei conta que tinha uma pessoa que dependia exclusivamente de mim. A partir daí passei a sentir medo: Medo de morrer. Por que será que algumas pessoas, depois de se tornarem mães passam a ficar medrosas?

Isso foi afetando a minha vida pessoal e depois a profissional. Minha sorte é que podia contar com a minha mãe em todos os momentos de desespero. Ela, sem conhecer nada técnico sobre o assunto, sabia falar o que eu precisava ouvir.

Consegui, dessa forma, levar minha vida até que uma nova mudança e o falecimento da minha mãe, me fizeram perder o chão. Foi uma fase difícil, mas um novo bebê traz novos desafios e pouquíssimo tempo para pensar. Você vira uma máquina de amamentar, trocar fralda, fazer arrotar e outras coisas muito peculiares à maternidade.

Considero os três primeiros meses da vida de um bebê, um tempo de escravidão. É impossível você conseguir se cuidar, mesmo com babá. Passado esse pequeno terremoto, consegui voltar a pensar mais em mim, na minha carreira e o medo voltou. Forte.

Primeira vitória

Por meio da terapia consegui aliviar muita pressão, mas ela não me dava respostas objetivas: por que eu sinto medo? Passei a atribuir meus medos à culpa. Fiz uma retrospectiva dos meus erros e concluí que meu saldo não era legal. Sou católica, tive uma educação religiosa em que a culpa imperava. Felizmente, amadureci, consegui ter um conhecimento melhor da fé e fiz as pazes com Deus. Aprendi que ter culpa não leva a lugar algum, o que precisamos é aprender a nos perdoar. Essa foi a minha primeira vitória sobre meus medos: ter fé.

Segunda vitória

Depois devorei muitos livros sobre o tema. Não me refiro somente aos livros de autoajuda, livros técnicos também, como o da Dra. Ana Beatriz Barbosa Silva, Mentes Ansiosas. É um show. Muito interessante você conseguir nomear o que  tem. Busque ajuda nos livros porque quando você conhece o seu medo, fica tão mais fácil! Segunda vitória: entenda sobre o assunto.

Terceira vitória

Compartilhar, dividir, confiar. Tenho duas amigas muito especiais. Uma delas é forte como um touro. Aguenta qualquer tranco. Estar perto dela me faz querer ser como ela. A segunda parece frágil, mas é outra fortaleza, especialmente na fé. Quer uma palavra de esperança? Fale com ela. Então, minha terceira vitória sobre o medo: fique perto de quem é forte e confiável. Se você cair, elas te seguram.

Quarta vitória

Por fim, vi que quando você tem uma vida mais leve, é tudo mais tranquilo. A natureza me faz ser uma pessoa muito melhor. Ela é perfeita. É delicada. É forte. Isso é o ciclo da vida. Para tudo tem um tempo. Não adianta apressar nada. Tudo vai acontecer conforme foi planejado. Quarta vitória sobre o medo: pratique a paciência, use a natureza para se espelhar.

Este domingo estive com as duas amigas e o resultado não poderia ser melhor. Primeiro corri com uma e depois nós três andamos a cavalo. Incrível como um animal de mais de 300 kg aceita que eu fique sobre ele.  Fiquei, senti medo e superei. Tudo estava lá: a confiança, as amigas, a natureza. Poderia ser melhor?

Denise Capece para Mulher Tempo

Mais benefícios sobre a equitação lúdica: https://www.facebook.com/Centro-de-Equita%C3%A7%C3%A3o-L%C3%BAdica-770743662936020/

 

 

 

Que mulher nunca passou por saia justa com filho?

Filho é mestre em nos fazer passar por saia justa. Isso porque eles são produtores naturais de mico. A mulher deve estar preparada para passar por essas situações quando decidir ter filhos. É que faz parte do pacote…

Tenho três filhos, minha lista de saia justa x ambientes diferentes é muito grande e daria para escrever um monte. Porém, como hoje se comemora o Dia do Circo, selecionei um vexame que passei lá!

Circo é um palco de luzes, cores e emoção. Tudo dentro do circo é um show. Sempre preferi os acrobatas, seguido dos animais. Na minha inocência, eram apenas bichinhos muito obedientes e fofinhos. Nunca pensei no que eles passavam para chegar a esse ponto. Nem que estavam tão confinados.

Já meu horror sempre foi aos palhaços. Para mim eles são bizarros demais. Por que um pé tão grande? Por que o nariz tem que ser vermelho? Não os acho engraçados e tenho medo do palhaço dos Simpsons, o Krusty.

Entendo que depois da chegada do Cirque du Soleil mudou bastante esse mercado. Não se vê mais circos como antes. Entretanto, para quem mora longe das capitais, ainda é possível visitar os velhos circos. Claro que não pode ser muito exigente, para isso é imprescindível que seu filho seja pequeno e viva na fantasia.

Mulher em pânico

Certa vez levei um deles ao circo. Ele tinha uns três anos. Era um circo bem simplinho e o show começou com chimpanzés. Que coisa linda! Meu filho ficou encantado com tudo que eles faziam. Estavam todos de macacão (kkkk sem querer) vermelho e camiseta listrada por baixo. Eles fingiam que liam jornais, bebiam na xícara, usavam óculos. Enfim, acredito que o mais incrível seja mesmo a semelhança com os humanos. Segundo o biólogo Morris Goodman, de Detroit (USA), eles compartilham 99,4% do nosso DNA.

Depois de várias apresentações, houve um intervalo. No caminho de volta para a nossa cadeira, demos de cara com um profissional do circo que não gostou do meu filho. Era um anão. Ele usava costeletas compridas, tinha barba cerrada e trajava uma calça vermelha. Meu filho parou de andar e ficou olhando, encarando. Eu puxava a mãozinha dele, mas ele estava imóvel. Apenas processando a imagem. Você consegue imaginar a encrenca que eu estava me metendo? Aí veio a bomba, ou melhor, a pergunta:

“Ele é macaco”?

A cara que o anão fez foi muito feia e, cá entre nós, que sujeito mais mal-humorado! Caramba, trabalha em circo, lugar cheio de crianças e não percebe que isso pode acontecer?

Sério. Achei que fosse apanhar. Peguei meu filho no colo e saí correndo. Foi a conta. Nunca mais fui a um circo.

Se você tem alguma saia justa para compartilhar, comenta aí embaixo.

Ah, em meio às minhas pesquisas encontrei um site sobre proteção aos primatas. Não deixe de conferir. É um trabalho muito bonito.

http://www.projetogap.org.br/primate/os-cinco-grandes-primatas/

Denise Capece para Mulher Tempo

Página 1 de 5

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén