Mulher Tempo

Precisamos de um dia com mais que 24 horas.

Empregada doméstica da Mulher Tempo

O título foi “fake”.  A Mulher Tempo não tem empregada doméstica porque consegue dar conta de tudo sozinha.

empregadamulhertempoMentira. Ela até consegue dar conta, mas não quer. Não existe mulher no mundo que goste ou que tenha prazer em fazer o serviço doméstico di-a-ri-a-men-te. Isso é enlouquecedor porque são várias jornadas: mulher, mãe, cozinheira, etc, etc, etc. Sem direito ao FGTS e repouso salarial remunerado!

O que mais ouvi de outras mulheres quando estava montando o curso para Assistentes do Lar foi que a empregada é uma pessoa fundamental, porééééém a lista de queixas sobre as atitudes dessas profissionais é gigante. Na investigação que fiz o maior problema é a invasão da privacidade. A dona da casa acaba tendo que compartilhar seus problemas pessoais por mais discreta que ela seja. O segundo diz respeito às faltas, atrasos ou hora da saída (não cumprir as oito horas, por exemplo) e por fim a inconstância da qualidade do serviço prestado. Disse uma entrevistada: “nem sempre está bem feito, me irrita ter que falar como se faz o mesmo serviço sempre”!

Em 11/12/1972 o presidente Emilio G.Médici sancionou a lei 5.859 que regularizava a situação dos empregados domésticos. Houve muita discussão até chegarmos a última sanção em junho de 2015, quando entrou em vigor a Lei Complementar nº 150 do governo de Dilma Rousseff.

Por que este é um assunto tão polêmico? Por que os empregados domésticos tiveram direitos excluídos frente aos outros profissionais na Constituição de 88? Tenho vergonha de admitir, mas acho que nossa sociedade ainda é escravocrata e segregacionista. Será que o simples fato da pessoa não ter tido acesso/vontade/oportunidade de estudar a faz inferior a outra? Diferente de outro empregado?

Por outro lado, temos também os profissionais que fazem com que a profissão seja desvalorizada. São comportamentos inadequados, completamente impróprios onde o fato do serviço ser prestado dentro da residência é mais um agravante.  As perguntas que faço são:

–  A empregadora sabe dar treinamento para sua empregada e entende que isso é um processo contínuo?

– A empregada está disposta a ser treinada de forma contínua para fazer suas tarefas de acordo com o que sua empregadora precisa que seja feito?

Eu defendo direitos  e deveres iguais.

Anteriores

Levar meu pensamento onde?

Próximo

Você nunca deu uma gafe?

2 Comentários

  1. gislenr

    Quando será o curso de assistente do lar, inscrever a.minha.

    • mulhertempo.com.br

      Oi, Gi. Tudo bem?

      Estou bastante interessada em montar uma turma de novo. Agora o serviço está bem mais seletivo do que antes, né? Vou divulgar a realização e te chamo.
      Um beijo.

Deixe uma resposta

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén

Gostou do Blog? Compartilhe!