Mulher Tempo

Precisamos de um dia com mais que 24 horas.

Categoria: Situações no Mundo Corporativo (Página 1 de 2)

Inglês para inclusão social

Ela falava a língua do gato?

Ganhei de presente de casamento o ingresso para o show do David Garret em São Paulo. Ele é um virtuose do violino, alemão e gato. http://www.david-garrett.com/

É verdade que muitas mulheres estavam lá pelo alemão, eu tinha dois motivos: o violino e o dono dele. Tenho que confessar! Também preciso confessar que o David jogou muito charme para a plateia. Ele estava gostando da reação que ele causava.

Em um momento ele decidiu que levaria para o palco uma pessoa da plateia. Eu estava longe, mas consegui me imaginar no palco com ele. Que sonho! Voltei a realidade quando vi que uma mulher que estava beeeem mais perto foi escolhida. Ela era linda. Cabelos loiros compridos e soltíssimos. Um vestido esvoaçante. Tipo assim, eu me conformei. Ela representou bem a plateia brasileira. David a fez sentar em um banco ao lado dele e disse:

– Whats your name?

– Cristina

– Where are you from?

– What?

– Whe-re a-re you from? (acreditando que ela estava nervosa, falou mais devagar)

– Rio de Janeiro

– Oh, so you came from Rio just to see me?

– What?

– You ca-me from Rio just to see me? (acho que ele percebeu que ela tinha alguma dificuldade e diminuiu a quantidade de palavras)

– What?

A situação foi constrangedora e ele foi muito elegante. Disse um lindo whatever, abraçou a moça e pegou o violino para tocar para ela.

Essa foi a trágica história de uma linda mulher que teve a sorte de ser escolhida para subir no palco do marvilhoso David Garrret, mas não sabia falar em inglês  e pagou o maior mico.

Inglês para inlcusão social

Meu pai teve dificuldade para aprender inglês porque na infância dele não era obrigatório, mas como sempre foi muito estudioso e trabalhador, rapidamente decidiu mudar essa história. Por isso, foi taxativo em nossa casa: minhas filhas não terão a minha dificuldade. Nós três falamos, obrigada, paizinho!

Isso deveria ser regra: falar inglês. Não é um diferencial, é essencial. Só que há algum tempo percebo que muita gente boa, não fala outra língua. O que aconteceu?

Eu não consigo entender como uma pessoa pode se atualizar, se especializar e sobreviver socialmente sem falar em inglês! Claro que há muitas outras línguas mais bonitas, porém é a língua universal. Mais de um bilhão de falantes e decidido pelos principais países que é a língua oficial do mercado. Será que é porque os EUA detêm o poder econômico?

O final dos anos 90 foi marcado pela força da Internet, a globalização, o Tratado da União Europeia e muitos outros movimentos econômicos que fizeram com que as barreiras físicas deixassem de existir. Você vai querer ficar alheio a isso tudo?

E onde entra o inglês para inclusão social? Fácil: em toda conversa que você quer ter com um estrangeiro visitando nosso país ou quando for viajar? Ou você só vai cumprimentar e pedir o almoço?

Vem pra dentro do mundo!

Você sempre pode mudar uma história. Estude inglês, mas lembre-se que não existe milagre. Não dá para falar em pouco tempo. Aprender outra língua é um processo. Precisa de dedicação! Abaixo, listo algumas dicas para facilitar o aprendizado:

– Ouça músicas, baixe a letra, entenda o que é cantado;

– Veja séries e filmes em inglês com legenda em português, conforme for avançando, deixe a legenda em inglês;

– Leia livros em inglês e assinale as palavras que não conhece;

– Eleja um dia para se comunicar em inglês com suas amigas: English Friday! English Coffee!

Depois disso tudo relaxe. Pode fazer sua viagem tranquilamente porque você vai conseguir se comunicar com qualquer pessoa! Quem sabe até com um alemão gato…

 

Denise Capece To Mulher Tempo

 Foto David Garrett: Monique Wuestenhagen / BVMI

 

É guerra: Mulher x Mecânico

A guerra está declarada.

Mecânico não gosta de mulher e mulher não gosta de mecânico. Sei que minha afirmação pegou mal, mas eles bem que merecem a ambiguidade.

Por que mecânico não gosta de mulher? Acho que ele pensa que ela não pode mexer com carro. Ela deve ter outras prioridades na vida, como lavar, passar e cuidar da prole. Por que todo mecânico pensa que mulher é burra? Não passa pela cabeça dele que quando temos que levar o carro para o conserto já fizemos uma pesquisa para entender sobre o que estamos falando?

Desta forma, acho que já me expliquei. Não gosto de mecânicos porque eles me subestimam. Eu sei trocar pneu, eu calibro o estepe, sei o que significa cada luzinha que tem no meu painel e também sei que o manual tem tudo isso escrito, desenhado e com muitos detalhes! Naturalmente, os mecânicos não leem manuais ou eles não nos proporiam absurdos.

Acho que já está na hora de colocarmos mulheres no mercado da mecânica. Penso que talvez seja uma forma de não sermos tão maltratadas. Sim, porque maltratar não é ser grosseiro. Maltratar é fingir que está prestando um bom serviço e depois rir do que falou e cobrou da cliente.

Troca do Óleo

Meu carro já está bem rodadinho, não faz mais sentido mandar para a revisão na conce$$ionária. Eu precisava trocar o óleo e filtro. Mas, onde? Sempre abasteço meu carro no mesmo posto, para aproveitar a viagem, fui na área de troca de óleo e pedi um orçamento.

Primeiro o infeliz queria que eu colocasse meu carro no elevador somente para orçar. Evidentemente eu disse que não faria isso. É bem provável que ele tenha pensado que fiquei com medo de colocar meu carro lá ou que eu não sabia.

Em seguida ele entrou em uma tela do computador que podia escolher a marca do carro, ano, modelo, etc. Isso me deixou um pouco mais tranquila. Ele me recomendou um óleo Shell 5W-30 e começou a falar da viscosidade dele. Nessa hora olhei para o manual e como estava sem meus óculos de leitura, só vi a marca da Castrol. Comentei com ele! Ele me explicou que o Shell Helix é o segundo melhor óleo do mercado e que Castrol só vende em concessionária. Muitas entrelinhas pro meu gosto… Qual foi mesmo o instituto de pesquisa que disse que ele está em segundo lugar (deu vontade de perguntar)?

Pro fim, ele me passou o preço e disse para colocar o carro no elevador. Eu disse que queria o orçamento no papel para estudar sua proposta. Ele não devia estar estava preparado para essa resposta porque pegou um papel qualquer e anotou tudo. Fui tomar meu cafezinho. Coloquei meus óculos e li no manual que a indicação era 10w-40.

O que dizer ao mecânico?

Eu podia dar com os pés no peito dele ou bancar a inocente (burrinha). Optei pela segunda e disse:

Moço, aqui vem dizendo que é para ser o 10w-40…

 

Ele me disse que 10w-40 só serve para quando o carro está com 100 mil km rodados (???). Então expliquei que esse deveria ser bom para mim, pois meu carro estava com 92 mil km.

Ele foi rápido e bem mais ousado. Disse:

O 10w-40 da Castrol é igual ao 5w-30 da Shell.

Na impossibilidade de dar uma voadora nele, eu agradeci muito a paciência, me desculpei por fazer tantas perguntas e disse que voltaria depois. Tipo assim, NUNCA. 

Ah, troquei o óleo, não no posto, mas com o “Lemão”. Em Limeira fui muito bem atendida.  http://www.lubrishop.com.br

Denise Capece para Mulher Tempo

 

 

 

 

Você sente a idade que tem? A Mulher Tempo não!

Será que a idade que você pensa que aparenta é a mesma que os outros te veem?

A Mulher Tempo acredita que a relação que se tem com uma pessoa, faz com que ela te veja e, consequentemente te trate, de forma diferente.

Estou em uma fase da minha vida que já não me choco tanto quando alguém me chama de senhora. Ahhh, como o tempo é democrático! Particularmente eu prefiro que me chamem de Vossa Majestade, não preciso explicar o porquê.

Na época da escola a gente viu isso nos Pronomes de Tratamento. Uma relação absurda de palavras que quase ninguém usa e todo mundo tem dúvida. Vossa Paternidade?

Você, Senhora, Senhorita, Senhor, Dona? O que usar? Como não ofender?

Felizmente, a baixaria de tratar por Senhora a mulher casada e Senhorita, a solteira, caiu. Fruto de mentes machistas e mal-intencionadas. O cara olha para a mulher (raio x) e pergunta: Senhora ou Senhorita? Vai comer agora ou embrulha para viagem? E por que nunca teve Senhorito? Os homens não precisavam/deviam deixar claro o seu estado civil?

Idade ou Respeito?

Senhor, Senhora e Você, certo? Não. Algumas mulheres piram quando são chamadas de senhora.

Há muita confusão na forma como se deve tratar uma mulher. Porém, acredito que a confusão maior é da própria. Será que a forma como uma pessoa é tratada identifica a idade que tem ou estabelece a relação de quem está falando com ela?

Chamo uma mulher de senhora quando respeito sua hierarquia superior, ela é uma cliente, por exemplo. Também trato por senhora uma mulher que tem muito mais experiência do que eu e, isso está relacionado ao tempo de vida. Minha sogra, minha tia, a mãe de uma amiga. Ela é visivelmente mais velha que eu, mas não a estou chamando de velha.

Fico louca da vida quando trato uma senhora assim e ela responde que “a Senhora está no Céu”. É respeito, cara! É uma forma de tratamento não o scann do seu RG.

Dá para ser pior? Sempre. Quando meu filho mais velho passou para a faculdade, ele morava com um cara que já estava no quarto ano. Um dia tive que ir na casa dele para pegar um boleto. Eu não o conhecia. Saiu de dentro da casa um homem de 1,80 que me chamou de Tia

Mais? Entra em uma loja e receba o tratamento delicioso: posso te ajudar Amada (bem, amor, gata, flor)?

Porém, a história mais legal veio da minha gêmea. Ela já havia sido atendida por uma vendedora e estava esperando pelo produto, sei lá qual, dentro de uma loja . Veio uma outra atendente e perguntou:

– A senhora está aguardando há muito tempo?

Minha irmã ignorou a cortesia e disse: “não sou senhora”!

Parece que a atendente não entendeu o recado e continuou:

– A senhora está precisando de….

E antes que ela terminasse, minha irmã – coberta de razão – disse: Quem te deu intimidade de me chamar de senhora?

Quer mais dicas para sua carreira? http://exame.abril.com.br/carreira/o-tom-correto/

Denise Capece para Mulher Tempo

Há Vagas

Onde uma empresa ou pessoa divulga que está precisando preencher uma vaga?

Na hora da entrevista todo mundo tende a falar o que o entrevistador quer ouvir. E se ele falasse toda a verdade…. Seria bom?

Dificilmente uma empresa pede para uma agência de propaganda fazer um Anúncio de emprego. Talvez pense que não precisa ser criativo. Será que não precisa atrair a atenção do maior número de pessoas qualificadas?

Tive um diretor que falava que não se prova que é bom fazendo um anúncio de página dupla na Playboy. Criativo que é bom, dizia Serginho, ganha prêmio fazendo anúncio pequeno de classificados! Ele estava certo. Já vi tanto anúncio bom e há tantos circulando que não tenho espaço para colocá-los aqui.

Mas será que todas as vagas precisam ser preenchidas por anúncios? Vagas para altos cargos são preenchidas via Headhunters, porque esse tipo de profissional normalmente está no mercado ou não está interessado em se expor. Muitos outros são feitos pelas Redes Digitais como o LinkedIn. Já para a vaga de Empregada Doméstica / Assistente do Lar ainda é na base da indicação.

Se você mora em um condomínio horizontal ou vertical deve ter a figura do porteiro, ronda ou zelador. Eles são os profissionais mais informados do planeta. Sabem de tudo que acontece. Sobre as empregadas então, é uma festa! Sabem onde trabalha, horário, salário e até a queixa da patroa.

Pode parecer fácil receber candidatas com uma fonte destas, mas não é. Poucas mulheres se interessam em trabalhar em casa. O sonho é ir para uma empresa. Mal sabem elas que a jornada de 44 horas semanais e resultado são condicionais para se continuar no emprego.

Outro problema que começou a surgir neste cenário é da diarista que decide quantas horas vai trabalhar por dia (what?), o que vai fazer e o que NÃO vai fazer (W H A T?). Ainda bem que isto está mudando. Para mim diária são oito horas e serviço doméstico é o que está sem fazer em casa. Claro que há limites. O serviço tem que estar dentro de casa (nada de limpar canil) e a pessoa tem que saber fazer. Só não aguento profissional que diz que para lavar a roupa o preço é outro.

Tenho uma conhecida que precisava contratar uma babá. O casal estava muito inseguro, pois com tanta história de babá maluca, eles queriam ter certeza de quem estavam colocando dentro de casa. E começaram as entrevistas.

Amiga: A senhora trabalha na mesma casa há 16 anos e por que quer sair? O que a sua patroa acha disso?

Profissional 1: Estou cansada de trabalhar na mesma casa há tanto tempo. Quanto a minha patroa, bem, ela não sabe que estou aqui…

Os papos bizarros continuaram pela tarde toda até que apareceu uma candidata que acertava todas as respostas. Minha amiga foi ficando cada vez mais animada. Já estava amando a futura babá. Na sua mente conseguia ver seu bebê no carrinho sendo empurrado na praça por aquela santa. Uma pessoa despachada, bem-humorada, responsável… E veio a pergunta derradeira:

Amiga: Você me desculpe pela pergunta que vou fazer agora. Pode soar estranho, mas é que fiz tantas entrevistas que estou tonta. Então vou direto ao assunto. Você está me parecendo tão perfeita…. Qual é seu defeito?

Profissional 2: Seguinte, sou super pontual, faço o meu trabalho certinho, adoro o que faço, mas a minha cerveja sou eu que compro. Disso não abro mão. Vou chegar aqui todo dia com meu fardinho. Se não beber todas deixo num canto e bebo no dia seguinte. Não vai atrapalhar ninguém. Prometo.

Dependendo do emprego, sei lá, tem vaga que aceita!

 

Troco em balas?

blog_balinhasmulhertempo

Quantas vezes já aconteceu de você ter que aceitar chicletinhos e balinhas, naturalmente de marcas ruins, no lugar do troco? Quantas vezes você já pode deixar de completar o valor pedido pelo caixa e sair com o produto? Não adianta o comércio é o mais forte. Nessa relação sempre vamos levar a pior, mesmo sendo O CLIENTE, sabe?Aquele que tem sempre razão…

Conheça RADIKEL, como o nome diz ela é RADICAL. Fala tudo que vem a sua mente e não leva nada de volta pra casa. Talvez lhe falte um pouco de política, mas ela é uma heroína, pois fala tudo aquilo que uma vez ficou engasgado.

 

Quem odeia matemática?

Matemática_MulherTempoAhhh… A matemática! Misteriosa, abstrata, exata, amada, odiada. O que será que existe por trás desse ódio por ela?

Imagino que as pessoas que me conhecem já devem estar estranhando este texto. Por que a Mulher Tempo está escrevendo sobre matemática se ela é da área humana? Escrevo porque eu conheço a importância e sei exatamente o dia em que eu comecei a deixá-la de lado. Desgostei da matéria por causa de um professor predestinado. O nome dele era Faraday! Eu deixava de resolver coisinhas banais na aula dele, mas cálculos estequiométricos, PH de soluções e demais demandas de química e física eu não errava nenhuma. Como explicar?

Não é tão complexo assim, mas também não é tão fácil porque envolve o cenário. É necessário mudar o sistema educacional e a forma como a matemática é ensinada, ou seja, os profissionais.

Li um artigo do prof. Renato Brodzinski,  do Instituto ProMath em Curitiba. Ele  explica de uma forma tão simples e gostosa que compartilho com vocês: “a matemática não é imutável, porque ela é pensada por seres humanos. Cada pessoa tem a sua matemática. Isso explica porque muitas não conseguem fazer contas na escola, mas conseguem contar dinheiro com invejável habilidade”.

Talvez você não se lembre, mas quando éramos crianças, aprendíamos  matemática comparando maior, menor, perto, longe; incluindo elementos em conjuntos; fazendo sequência do maior para o menor, etc. As professoras faziam isso porque ela é abstrata. Se você não usar cores, formatos e quantidades jamais vai passar isso para um aluninho.

Dificilmente você vai encontrar uma criança pequena odiando matemática. Só que depois dessa fase de concretização dos conceitos básicos vem a lógica dos problemas. É possível usar o raciocínio lógico sem pensar? Não! Por isso minha conclusão é que esse é o grande X da questão – com o perdão do trocadilho.  Pessoas não gostam de pensar. E o segundo maior problema é o português. Quando você precisa decifrar o enunciado, entender o que está sendo pedido para somente então montar a conta, usando a operação correta.

Certa vez agendei a revisão do meu carro e expliquei que ele estava fazendo um barulho estranho quando acelerava. O chefe da oficina me explicou que eu deveria trocar o óleo do câmbio. Quando ele me disse que a troca custava 500 reais e eu tive uma síncope, o rapaz me disse que daria para esperar para a próxima revisão.

Como todo mundo sabe, os preços em concessionárias são mais salgados. Por isso a Mulher – com muito – Tempo resolveu ligar para algumas lojas. Para meu espanto não é qualquer loja que tem óleo de câmbio de carro automático, por isso de todas as pesquisas que fiz, somente uma loja tinha o óleo e trocava. Liguei para lá.

Quis saber quanto custava o óleo. A atendente me disse que custava 90,00. Achei muito barato e perguntei se bastava uma unidade. Após falar a marca do meu carro, ela me informou que eu precisaria de sete unidades. Aí eu fiz a minha conta em voz alta numa tentativa desesperadora de conseguir um desconto. Disse assim: “Nossa 9 x 7… Isso dá 630 reais”? A moça me corrigiu: “Negativo, são 7 x 90”.

Não troquei o óleo do câmbio até hoje, ainda não consegui fazer a conta!

 

 

Marketing Pessoal da Mulher Tempo

Toda mulher deveria ter uma estratégia de marketing pessoal, marketing para a vida.

Foi assim que nasceu a Mulher Tempo. É preciso ser uma heroína para vencer. É preciso ter poderes para lidar com tantas esferas e não se descontrolar, não se desequilibrar. Aí você pensa: “mas eu me descontrolo”! Bem-vinda ao time. Mulher não tem sangue de barata. Mulher é movida pela emoção, por mais que ela tente esconder. O que quero fazer com você é tentar racionalizar ao máximo para que você possa ter seus momentos de louca sem tanto prejuízo para você, seu relacionamento ou sua carreira.

Uma boa estratégia de marketing começa com três importantes definições. Atenção: SEM ELAS NÃO SIGA ADIANTE.

  1. Missão: descubra o que faz você se mover, o que tira você da cama, de onde vem sua motivação, o que te realiza.
  2. Visão: descubra onde e como você quer estar em cinco anos, como você quer estar quando estiver na terceira idade, como você quer que as pessoas te vejam.
  3. Valores: é o que norteia a sua decisão. É praticamente a sua consciência. Sabe aquela paradinha que você dá antes de agir? Isso mesmo!

Você pode levar muito tempo para descobrir e ratificar os itens acima. É importante escrever, refletir e também ouvir outras pessoas, até mesmo homens . Em seguida trace um objetivo. Trace mais de um objetivo. Você pode ter um objetivo pessoal (fazer uma viagem pela Ásia, ter um filho) e um objetivo profissional (abrir um negócio, mudar de emprego). Eles não podem se anular. Fora isso, risque à vontade, pois nada que você faça pensando em você está errado. O que pode acontecer é demorar mais ou menos para atingir. Depois disso começa a ficar interessante: METAS.

As metas são importantes para chegar ao alvo (objetivo) de forma mais controlada e com menos dor. Quando aprendemos a andar é um passo de cada vez. Não mudou. Tive um professor na FGV que fazia uma analogia muito interessante. O objetivo era o Gorila e ele dizia que para atingi-lo você deveria fatiar o gorila em vários macaquinhos. Tecnicamente falando são as microações. E todas, todas elas com data e quantidade.

Exemplo: Se meu objetivo é viajar com minha família para a Europa em julho de 2017. Sei que preciso de algumas ações, porém isso envolve grana. Faço uma cotação já e descubro que vou precisar de 20 mil reais. Assim é muito, mas 2.000 por mês não. Que tal fazer uma aplicação? Onde posso tirar para economizar? E assim você vai seguindo. Se em um mês você passar da meta, calibre para o outro mês, mas já vou avisando que sem disciplina você não alcança nada.

Você precisa ter um documento bem elaborado, impresso e encapado. Fora isso é preciso estar e se manter atualizada com as notícias, cuidar muito bem da sua aparência (saúde, pele, cabelos, unhas), demonstrar pelos seus atos aquilo que você realmente é.

Poucas são as pessoas que alcançam o sucesso sem suor e ninguém nasce pronto. Uma profissional vai formando suas opiniões a partir das influências que sofre do mundo interno e externo.

Eu atuava em um mercado que precisava me vestir muito bem. Sempre maquiada, cabelos bem tratados e roupas/sapatos conservados. Como publicitária, visitava muitos clientes na rua. Portanto tinha um nécessaire contendo maquiagem, kit dental, lenço umedecido, absorventes e claro, uma meia fina de reserva! Isso foi a minha querida mamãe quem me ensinou. Ela dizia que meias finas eram descartáveis e estava muito certa.

Com o tempo a gente vai ficando mais crítica e passa a aceitar menos a opinião dos outros ou até mesmo faz uma “reforma” nela. Minha mãe dizia que o certo era vestir a calcinha por cima da meia. Segundo ela, era a única forma de manter uma meia no lugar.

Lá pelos meus 19 anos eu ainda era rebelde e achei que poderia mudar alguma coisa no conselho dela. Quando coloquei a meia com a calcinha por cima tive um desconforto muito grande com a costura da meia, lá na… Bem, você sabe onde. Lembro-me que liguei para ela dizendo que ela estava muito errada. Então ela me disse para colocar outra calcinha por baixo. Desliguei o telefone em estado de choque. Como assim vou ter que lavar duas calcinhas hoje?

Coloquei minha cabeça para funcionar e tchãããnnnn matei a charada. Tem uma coisa que pode ser colocada no lugar da calcinha: CAREFREE! Obviamente eu tinha um no meu nécessaire. Fui até o toalete e grudei o sujeito bem na costura da meia. Senti o conforto imediatamente. Depois puxei a calcinha e ficou tudo perfeito.

MKTPessoal_MulherTempoNaquele dia eu estava usando um tailleur de saia curta cor pérola, meia fina natural, escarpim e bolsa crus. No fim do dia estava indo embora para casa e conforme eu desfilava sentia alguma coisa estranha que eu não conseguia identificar bem. Quando olhei para as minhas pernas encontrei o meu CAREFREE no meio do joelho, na parte interna. Não tinha para onde correr. Fui andando até as barcas abrindo somente a parte de baixo das pernas como se estivesse muito apertada. Era o melhor do pior. Enfim, fui ao banheiro e joguei fora a meia.

Flanelinha da Mulher Tempo

Mulher Tempo precisa saber lidar com flanelinhas

Os flanelinhas são “profissionais” criados pelo excesso de carros nas cidades. Ainda não consegui concluir se eles são bons ou ruins.

Se pensar que eles estão fazendo um serviço em vez de roubar, o flanelinha entra na categoria dos bons. Entretanto eu sempre me sinto coagida. É como se eu estivesse sendo assaltada por um valor baixo, mas que se eu não contribuir o prejuízo pode ser bem maior.

Criei uma personagem que se chama Radikel. Ela é muito inteligente, mas bem intolerante. Não que ela esteja errada, mas falta um pouco de política. No fundo, em alguns momentos eu adoraria ser como ela.

Flanelinha_MulherTempo

Treinamento para vendedores de varejo

Vamos falar sobre mão de obra. Quero falar sobre trabalho. Falar sobre todo esforço, treinamento e tempo que você junta para um dia ganhar dinheiro… No trabalho ou no emprego?

Todos precisam trabalhar. Seja pela necessidade da grana, realização ou até pra fugir de casa. Quando falo em trabalho, não me refiro a emprego, aquele que você chega, passa o dia todo e no fim do mês o seu dinheiro está na sua conta. Isso não é trabalho. Trabalho é quando você conhece a empresa, os sócios, valores, produtos e está lá para ajudar na missão dela.

Ouço muitos empresários reclamando de mão de obra. Eles até têm vagas, mas não conseguem preencher, porque a mão de obra é/está desqualificada. E por que isso? Em primeiro lugar pela péssima qualidade de ensino no nosso país. Há muitas pessoas formadas que nem sabem escrever. Aí entra uma palavra que eu adoro: Comprometimento. Se você digitar no Google a palavra “curso” aparecem 348.000.000 de resultados em 0,69 segundos. Fora as variações como, curso a distância, pós-graduação, curso livre, curso grátis e por aí vai. Portanto, em vez de ficar se lamentando pela qualidade do ensino, pela crise ou até pela falta de sorte, que tal arregaçar as mangas e se qualificar.

Como consumidora passo por situações que sempre me surpreendem. Um dia queria comprar um presente para meu filho. Escolhi óculos de natação e fui a uma loja de esportes. Loja famosa, gasta bastante em propaganda. Todos os vendedores uniformizados, vitrine linda, milhares de produtos expostos e uma abordagem ótima. Assim que falei o que procurava me encaminharam para uma vendedora.

Antes de continuar minha história, permitam-me uma explicação. Não sou nadadora, fui. E na minha época não tinham óculos de natação. Era no olhão mesmo. Hoje quando uso, acho muito desconfortável. Enfim, não sei escolher e precisava de uma vendedora que me orientasse. Ela foi muito simpática e me mostrou uma parede com vários óculos para o meu pânico. A moça percebeu minha indecisão e pegou um pretinho da marca X que custava 49,90. Apontei para um modelo de outra marca que custava 69,90 e perguntei.

– Fora o preço, qual é a diferença entre eles?

– “A marca”. Ela me disse.

– Ah, tá! Isso eu percebi. Eu queria que você me dissesse outra diferença fora a marca.

Ela olhou para os dois óculos por uns segundos e respondeu que um tinha lentes cristal e o outro tinha lentes azuis, maaaaaas me garantiu que dentro da água era tudo igual.

A Mulher Tempo tentou mais uma vez.

– O que eu quero saber é na hora que eu for nadar o que um pode ajudar mais do que o outro?

Ela me disse que não sabia, confessou que fazia pouco tempo que estava trabalhando lá, mas que ia chamar a amiga mais experiente.

Enquanto elas não chegavam acabei separando dois modelos da mesma marca. Um deles era o de 69,90 e outro de 89,90. Pela embalagem só dava para ver que um tinha uma espécie de reforço na parte interna. Talvez fosse um diferencial, mas era o mais barato! A vendedora mais experiente chegou e recomecei meu diálogo. Achei que a primeira tivesse falado sobre a minha dúvida.

– Por favor, fora o preço qual é a diferença entre estes dois óculos?

Ela me respondeu que eram de modelos diferentes!
TreinamentoVendedores_MulherTempo

Disfarcei a minha cara de impaciente e respirei fundo. Na verdade me desculpei por não estar sendo clara. Refiz a pergunta assim:

– Na hora da natação, quando eu estiver dentro da piscina e colocar os óculos, qual deles é o melhor? Tem alguma diferença entre eles que me ajude a escolher entre um e outro?

Meu, ela foi muito honesta. Disse que sinceramente não sabia. Que nunca ninguém tinha perguntado isso para ela, mas que os dois eram indicados para natação. Eu já estava cansada e decidi ajudar (nós duas, claro!). Abri as caixas, coloquei meus óculos de leitura e li o folhetinho. O mais barato era para treinamento e o outro era para triátlon e mar aberto. Comprei o mais barato e estou torcendo para ter acertado a minha escolha.

Não sei quanto tempo elas vão aguentar este emprego, mas sei quanto este anunciante gasta para colocar consumidores lá dentro. Também sei que alguns não têm paciência ou tempo para um atendimento de tão baixa qualidade. E aí, quem está errado?

 

Não deixe de visitar o link: http://www.administradores.com.br/noticias/negocios/mao-de-obra-desqualificada-e-um-dos-maiores-problemas-dos-empresarios

Escrito por Denise Capece para Mulher Tempo

Baunilha…

Baunilha_MulherTempo

Alguém sabe me explicar por que

os atendentes de fast food falam

sorvete de bauMilha?

 

Página 1 de 2

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén

Gostou do Blog? Compartilhe!